5.4.10

Bonnes Pâques



Bonnes Pâques. É o melhor que eu recordo deste tempo. O pior é uma varanda que parecia estar a cair – sem eu o saber – e onde esperei uma tarde inteira pelos coelhos que haveriam de chegar com os ovos, vindos do céu. A varanda parecia-me apenas suja, o sujo era a fragilidade da sua antiguidade. É esse o feio dos miúdos o que não parece para sempre como este céu azul. – Como é possível? Que forças, que enormes poderes, transformarão este azul eterno de todo o paraíso, num tecto enegrecido de tempestade? Céu de tempestade , também celeste e no entanto a sua cor não tem nome, como este azul chamado celeste. Boa Páscoa, em francês, como a minha avó dizia: Bonnes Pâques!


Escrevo isto e desenho enquanto o Espanhol ao lado protesta por ter ficado com a enorme cabeça ao sol, só porque eu quero sol e o Senhor Meireles, depois de informar que após tantas horas perdidas no curso de chapéus de sol o mínimo que se lhe pode exigir é que consiga sombra para o Espanhol e sol para mim. A mãe do Espanhol, solícita e preventiva, propõe-lhe trocar de lugar, o homem terá 55 anos de idade e o dobro em peso, a mãe é frágil e magra e diz enquanto o seu enorme filho ocupa, praticamente à minha frente, o lugar onde ela até aí tinha estado, sem se ver : «me encanta el sol» ! – «A mi no», responde-lhe o filho já sentado. Quando se levantam despeço-me e desejo « bonnes pâques ». Vão ficar a pensar que sou catalão. A senhora olha para o desenho e sorri, o filho olha também, com o mesmo olhar obstipado e pensa : locos!


(Esplanada do Restaurante Pinóquio, almoço de Domingo de Páscoa)

1 comentário:

betty disse...

Delicioso o texto e o desenho!
Tivera eu a sorte de estar nessa mesa ao lado para ficar com a toalha...;^)
Parabéns pela criatividade!
um beijo,
bety